Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Dinheiro

Alta do movimento anima varejo para fim de ano

Flavia Kurotori | Folhapressem 4 de dezembro de 2021 14:30
  • Representantes de lojas de rua e de shoppings estão otimistas em relação à demanda para o Natal;
  • Publicação mais recente do IPV (Índice de Performance do Varejo) mostra incremento de 10% no fluxo de visitas dos shoppings;
  • Na mesma comparação, o comércio de rua registrou alta de 8% no movimento e de 4% nas compras.

Mesmo após uma Black Friday mais morna do que o esperado e a chegada de uma nova variante do coronavírus, o aumento gradativo do movimento no comércio neste ano anima o setor. Representantes de lojas de rua e de shoppings estão otimistas em relação à demanda para o Natal.

Publicação mais recente do IPV (Índice de Performance do Varejo), da HiPartners Capital & Work e parceiros, mostra incremento de 10% no fluxo de visitas dos shoppings, com acréscimo de 12% nas vendas entre setembro e novembro em todo país.

Na mesma comparação, o comércio de rua registrou alta de 8% no movimento e de 4% nas compras.

Só na capital paulista, segundo pesquisa do Instituto de Economia Gastão Vidigal, da Associação Comercial de São Paulo, houve crescimento de 14,5% nas vendas da primeira quinzena de novembro em comparação ao mesmo período de 2020.

Ainda que o percentual seja tímido (0,9%), a projeção supera até mesmo o resultado de 2019, ano anterior à pandemia.

Por outro lado, a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) deve revisar para baixo as projeções que havia feito anteriormente para as vendas natalinas, de alta de 3,8% (já descontada a inflação) na comparação com o ano passado. O motivo é o fraco resultado da Black Friday, segundo Fábio Bentes, economista da entidade.

Maurício Romiti, diretor administrativo e financeiro da Nassau Empreendimentos, empresa que atua no setor de shopping centers, avalia que mesmo com a alta da inflação, do dólar e de outros custos do dia a dia, o resultado deste ano será positivo. Contudo, ainda não é possível fazer estimativas concretas, uma vez que depende do avanço na variante ômicron do coronavírus.

"O Natal deste ano vai ser diferente do último, pois esta é a primeira vez desde 2019 que as famílias vão poder se reunir para celebrar a data em conjunto. Espera-se que o tíquete médio seja menor em valores reais, mas o faturamento deve se manter muito próximo a 2019, o que não frustra de forma alguma o comércio", observa.

Na avaliação de Ulisses Ruiz de Gamboa, economista da Associação Comercial de São Paulo, o crescimento nas vendas dos meses de novembro e dezembro será de 8% a 10% em comparação a 2020. "Além da aceleração da inflação, as famílias ainda estão endividadas e o desemprego ainda está alto", assinala.

Em relação à Black Friday, embora reconheça que o resultado tenha sido abaixo do esperado, Gamboa lembra que, em alguns comércios, as promoções ainda não acabaram e podem impulsionar as vendas. A estimativa é que a data movimente R$ 6 bilhões em todo país.

Luís Augusto Ildefonso, diretor institucional da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping), avalia que a população está com a demanda reprimida após a sequência de "abre e fecha" do comércio na pandemia.

"Temos tido uma sequência de crescimento nos últimos quatro, cinco meses, o que anima o comerciante. Neste ano, em todas as datas magnas, como o Dia das Mães, [Dia dos] Namorados, Dia dos Pais, tiveram vendas acima das expectativas, e [isso] é muito bom, dá confiança".

Outra aposta para atrair os consumidores é a experiência do cliente. Além do Papai Noel, que chama a atenção de famílias com crianças, a concentração das compras no ambiente online na pandemia trouxe a urgência da compra presencial, em que o consumidor pode tocar e experimentar o produto antes de fechar negócio.

Galeria Black Friday tem lojas vazias e ecommerce morno Números indicam dia de promoções parecido com o de 2020 https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1717504754615081-black-friday-comeca-morna-no-centro-de-sao-paulo ***

Relacionadas