Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir
Logo BP Money
Carro mais caro do mundo é vendido pela Mercedes por R$ 700 milhões
Bovespa Mais: conheça este tipo de acesso a Bolsa de Valores brasileira
Bill Gates volta a explicar porque não investe em criptomoeda
Web 3.0

El Salvador vive espiral da morte, diz economista

Apesar da medida inovadora, a economia do pequeno país da América Central está prejudicada 

por Redação BP Money

28 de janeiro de 2022 19:30
El Salvador vive espiral da morte, diz economista

Em setembro do ano passado, El Salvador adotou oficialmente o Bitcoin (BTC) como moeda de curso legal do país. De lá para cá, o presidente do país, Nayib Bukele, também comprou e incluiu no tesouro nacional 1.801 unidades da criptomoeda, ou seja, US$ 68,8 milhões equivalentes a 2% das reservas da nação. 

Bukele, que é idealizador da proposta, ventilou esse valor para o mercado que planeja emitir títulos públicos de US$ 1 bilhão lastreados no criptoativo. 

A intenção dele é atrair o interesse de investidores internacionais com essas medidas ousadas e inéditas e dar assistência à população que não possui acesso aos serviços bancários. No entanto, a prática está, pelo menos por enquanto, muito distante da teoria esperada pelo político, que colocou em risco as finanças do país. 

Desde que oficializou o bitcoin como centro da economia El Salvador recebeu críticas de grandes nomes da economia global, como o Fundo Monetário Internacional (FMI), e viu seus títulos e avaliações de risco derreterem. 

Isso não seria um problema se o pequeno país com cerca de 6,5 milhões de habitantes fizesse parte de um mundo paralelo – como um metaverso privado – e não dependesse de recursos externos para se manter em pé e pagar as contas. Não é o caso. 

 Os títulos de El Salvador, com vencimento em 2023, sofreram as consequências dessa manobra e perderam 23% de seu valor desde junho de 2021 (mês em que a Lei do Bitcoin foi proposta) e a nação luta com um risco de inadimplência de 35%.  

“Eles estão em uma espiral da morte”, disse o economista Steve Hanke, professor da Universidade John Hopkins, em um tuíte publicado na quinta-feira (27). 

Enquanto isso, a dívida externa de El Salvador só aumenta e já está em cerca de US$ 24 bilhões, quase 89% do PIB, e deve piorar até 2026, chegando a 96% se nada for feito. Peli menos é isso que estima o FMI, que exigiu que o país deixe de usar o BTC como moeda de curso legal, e citou os “grandes riscos associados ao uso do Bitcoin na estabilidade financeira”.