Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Opiniões

MST rompe com sua ideologia e apela para mercado de capitais

Nicolau Eloyem 28 de julho de 2021 17:41
  • O MST irá ofertar Certificados de Recebíveis do Agronegócio no mercado de capitais;
  • Serão R$ 17,5 milhões em títulos para financiar a agricultura familiar;
  • Se tratando de um movimento que demoniza o capitalismo, porque escolher justamente esse sistema para alavancar suas produções? 

Vale salientar que os comentários e opiniões contidos neste texto são de total responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião da BP Money ou de seus controladores.

Para "comemorar" o dia do agricultor, chegou à B3 uma notícia que choca a todos, até mesmo àqueles que vivem na zona rural: o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) irá ofertar Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) no mercado de capitais. Serão R$ 17,5 milhões em títulos para financiar a agricultura familiar e os investidores já podem reservar os papéis desde ontem (27).  

A produção dos alimentos é feita por sete cooperativas de assentados do MST, que abrangem os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e São Paulo. No geral, são produzidos leite, milho, arroz, soja, açúcar mascavo e suco de uva.

Apesar dessa não ser sua estreia no mercado financeiro - em maio de 2020 o grupo realizou uma oferta restrita, direcionada apenas a investidores qualificados - é a primeira vez que o movimento faz uma oferta pública aberta a qualquer tipo de investidor. Diferente da cota do ano passado, que limitou o investimento mínimo a R$ 100 mil, este ano os títulos poderão ser adquiridos a partir de R$ 100. 

É importante destacar que a bolsa de valores brasileira está aberta a todos os setores, inclusive os de agricultura, porém a decisão do MST vai contra tudo que o mesmo jura apoiar.

Se tratando de um movimento que demoniza o capitalismo, porque escolher justamente esse sistema para alavancar suas produções? 

O próprio site do MST faz questão de frisar "a perversidade do capitalismo". Segundo uma publicação, nesse sistema a repressão funciona bem para o benefício de poucos. Engraçado, enquanto esses ditos 'poucos' não incluíam o movimento, o capitalismo era crucificado pelos membros. Agora, que entraram no mercado de capitais e se beneficiam diretamente de investidores distintos, o capitalismo lhes parece bem conveniente. 

O grupo ainda faz questão de descrever o quão tóxico é o ambiente financeiro, descrito como "um inimigo perigoso à natureza." Será que o pensamento continua o mesmo? Ou suas ideologias foram descartadas em uma simples manobra para se sentirem mais confortáveis ao ofertar CRA? 

A resposta pode não ser clara, mas para bom entendedor meia palavra basta. Nesse caso, o ex-secretário de Desestatização do Governo Bolsonaro e presidente da Localiza, José Salim Mattar, fez uma boa observação em sua conta oficial do Twitter.

Chamando de "frenesi do socialismo burguês", o empresário lembrou de uma citação do economista teórico, Ludwig von Mises. 

"O anticapitalismo só se mantém em evidência por viver à custa do capitalismo". 

Convenhamos que a ação do MST realmente concorda com o pensamento de Mises, e é como tem sido. O dia do agricultor deste ano ficará marcado pela ironia do destino: um movimento socialista, repressor da estrutura econômica, apela à bolsa para arrecadar R$ 17,5 milhões em títulos do agronegócio. Que belo dia para defender o capitalismo.

Relacionadas