Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Opiniões

B3: barata ou cara?

Nathan Meirelles, analista da BP Money, CNPI-P EM-2093em 13 de outubro de 2021 16:46
  • As quedas da bolsa de valores nos últimos meses foram bastante severas;
  • Mas o que poderia explicar tal comportamento?
  • Fatores explicam o desconto da bolsa em relação a pares internacionais.

Podemos dizer que as quedas da bolsa de valores nos últimos meses foram bastante severas.

Algumas pessoas diriam que foram até mesmo exageradas, colocando o preço de algumas ações e empresas em patamares bastante descontados. Ou seja, extremamente baratas.

De maneira análoga, quando olhamos para as bolsas estrangeiras, percebemos que no período também houve alguma correção, em alguma medida. Porém, o que mais assusta é o tamanho da correção que foi observada em nossa bolsa local. Com muitos períodos sendo marcados por quedas muito mais profundas (o que é algo de praxe), e com a diferença de uma certa “continuidade” de tais quedas não observadas na bolsa americana (usaremos o S&P500 como nosso referencial aqui).

Se por lá a máxima “Buythedip” ou “Compre a mínima” foi e vem sendo seguida ao pé da letra, aqui no Brasil a mesma não se sustentou, com investidores agindo de maneira temerária e aversa às suas posições em bolsa de valores que até há alguns meses eram fonte de alegria e otimismos pujantes.

Mas o que poderia explicar tal comportamento, até então sem sentido?

Será que o Sr. Mercado (nome cunhado por Benjamin Graham, lendário professor de Warren Buffett) excedeu os limites, exagerando no pessimismo da mesma forma que exagerou no otimismo “pós-pandemia”?

Pois bem. Antes de mais nada devemos ter em mente que apesar do mercado não ser completamente eficiente, podemos considerar que ele é ao menos semi-eficiente (Eugene Fama e a teoria dos mercados eficientes).

Assim sendo, por mais que disfunções, assimetrias, ou seja lá a forma como queira chamar os momentos de breve histeria e depressão dos preços dos ativos em uma determinada janela de tempo, existam – fornecendo às oportunidades de compra e venda -, não devemos crer que o mercado seja “burro” a ponto de sustentar um “desconto” excessivo a troco de nada, ainda mais por períodos estendidos.

Desta forma, alguns fatores que explicam o desconto da bolsa em relação a pares internacionais residem em questões como:

•    Persistentes gargalos nas cadeias de produção;
•    Inflação;
•    Redução da oferta agregada;
•    Crise energética;
•    Alta taxa de desemprego;
•    Descarbonização da China;
•    Arrefecimento das expectativas dos consumidores;
•    Discussão acerca da redução dos estímulos monetários;
•    Entre outros.

Mas espere... Todos estes fatores acima citados têm afetado o mundo como um todo, não sendo algo exclusivo da realidade brasileira.

E é aqui em que um cenário que já era difícil consegue ficar ainda pior.

Além de todo esse caldeirão borbulhante, temos às questões econômicas e políticas características do nosso país, como:
•    Eleições presidenciais em 2022;
•    Questões envolvendo precatórios;
•    Teto de gastos;
•    Questionamentos quanto a validade da própria eleição;
•    Além das características econômicas de um país endividado e com baixa capacidade de geração de receita, já que em suma o Brasil é um país produtor de produtos com baixo valor agregado (commodities), dependendo da importação de bens de consumo de outros parceiros.

Colocando desta forma, fica até mais fácil enxergar o porquê da nossa bolsa de valores estar mais descontada em relação a outros pares, já que, por regra, os investidores e agentes econômicos, imbuídos de racionalidade sempre irão exigir um prêmio de risco no momento de alocar seus escassos recursos em ativos considerados mais arriscados, comparativamente falando.

E se tratando de um cenário pós-pandemia, convenhamos que será muito mais difícil para tais países recuperarem o nível pré-pandemia, visto que além das questões levantadas acima, o endividamento excessivo e o custo mais elevado destes, contribuem para um “estrangulamento” da capacidade de expandir políticas fiscais e monetárias que estimulem o consumo, investimentos, etc.

Sendo necessário um delicado malabarismo para equalizar essa conta.

Até agora elaboramos sobre a economia global, doméstica e o porquê da diferença de preços entre a nossa praça e a estrangeira, e até ai tudo bem.

Porém, a grande pergunta aqui e que devemos nos fazer é a seguinte: “O quão descontada nossa bolsa está em relação aos pares, e se essa proporção de fato possui um fundamento, ou será que de fato o Sr. Mercado se empolgou em seu momento de racionalidade e acabou transformando algo justificável em um excesso?”

E na nossa visão e nos patamares atuais, foi justamente a última opção que aconteceu.

De fato, faz sentido os preços dos ativos locais estarem descontados, mas o que não faz sentido é em tais níveis atuais que estamos vendo, ainda mais porque se formos parar para analisar perceberemos que nada mudou.

Tirando o fato de as eleições presidenciais estarem cada vez mais próximas, e com algumas novas e pequenas questões globais surgindo, o arcabouço central do cenário e da narrativa que pautou toda a alta do ano passado para cá ainda se mantêm inalterada.

Que é:
•    Enxurrada de estímulos monetários por parte dos BCs;
•    Recuperação econômica e crescimento dos PIBs;
•    Conquista das metas de inflação dos BCs e redução dos altos níveis de desemprego.

Assim, se levarmos em consideração um ponto fundamental, que muitas das empresas hoje sobreviventes só o fizeram por possuírem algum grau de excelência no que tange a operação de seus negócios e saúde financeira, desta forma estando mais bem posicionadas e aptas para abocanhar o marketshare deixado pelas empresas que outrora existiam, veremos que o futuro próspero ainda se sustenta.

E se isso ainda não for suficiente, lembremos que expectativa geral ainda é de crescimento para este ano e o ano que vem – tanto para o PIB quando dos lucros das empresas -, com os problemas econômicos como os das cadeias de suprimento devendo ser resolvidos no primeiro semestre de 2022.

Ou seja, o que temos na verdade é uma clara oportunidade para posicionamento/compra dos mesmos ativos que até poucos meses possuíam expectativas estelares de crescimento e retorno, e que via de regra, não possuem o núcleo de suas fontes de renda sujeitos a uma “morte total” a depender do próximo presidente que assuma.

A única diferença nesta segunda oportunidade que estamos tendo é que talvez o mercado tenha ajustado suas expectativas quanto a tais crescimentos e retornos estelares, reduzindo de algo “estupendo” para algo “maravilhoso”, afinal de contas, o mercado muitas vezes exagera para ambos os lados...

Seja como for, e independente do próximo presidente eleito, o PIB global e junto o do Brasil continuarão a crescer nos próximos anos, as empresas continuarão seus processos de investimento, inovação, crescimento e lucro, e as bolsas globais continuarão seus processos de expansão, com muito mais “pausas” para corrigir os excessos futuros, mas sempre em direção ao crescimento.

Com as vencedoras sobrevivendo e as empresas deficitárias seguindo o curso lógico da natureza e de sobrevivência do mais apto.

Em outras palavras, você só tem que saber como escolher o seu time de vencedores da maneira correta, e evitar que todo o ruído do mercado turve a sua capacidade de escolha e julgamento. O resto, o tempo se encarrega...

Relacionadas