Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Fora do Radar

Fora do Radar: Enjoei, a empresa que revolucionou a forma com que lidamos com produtos usados

Luis Guilherme Guimarãesem 27 de julho de 2021 15:18

O Enjoei foi fundado em 2009, na cidade de São Paulo, pelo casal Ana Luiza Mclaren Lima e Tie Lima. Desde seu lançamento até a metade de 2020 foram contabilizados 1,5 milhão de compradores e 1,9 milhão de vendedores, tendo registrado no período de junho de 2019 até junho do ano passado 23 milhões de visitas mensais.

A empresa nasceu como um blog e a proposta era muito básica: vender roupas e acessórios do casal e de amigos para pessoas que se interessassem por aqueles bens utilizados, mas em bom estado. Com o tempo, as duas perceberam que a demanda do modelo vinha aumentando cada vez mais, e dessa forma transformaram a plataforma em uma loja virtual ou e-commerce em 2012.

Com o sucesso do negócio, investidores se atraíram pelo Enjoei e, em 2013, a Monashee Capital fez aportes na companhia, realizando-os novamente em 2014. Juntos, os aportes somaram cerca de R$ 3 milhões para a empresa. Depois da Monashee Capital, a Bessemer Venture Partners investiu cerca de R$ 22 milhões na varejista. Após os investimentos, o Enjoei faturou cerca de R$ 30 milhões em 2014, elevando o número de vendedores e lojas internas, chegando a 200 mil estabelecimentos no aplicativo (lançado em 2014 para IOS, Android e Windows Phone).

Já em 2016, o Enjoei, em parceria com o canal GNT, lançou o programa Desengaveta, apresentado por Fernanda Paes Leme. Com a fama da empresa no Brasil, o casal fundador expandiu seus negócios para a Argentina em 2016, com o site Yafue.com. A companhia tem capacidade para estocar cerca de 1 milhão de peças em sua sede em São Paulo, assim os vendedores podem deixar seus itens nas mãos da empresa para que ela cuide de toda a logística, enquanto o vendedor se preocupa apenas com a venda.

Em novembro de 2020, o Enjoei realizou a sua oferta pública inicial de ações ou IPO. 
A operação foi feita em duas ofertas: a primária, na qual as novas ações geradas foram vendidas e a secundária, onde as ações pertencentes aos sócios vendedores foram negociadas. Entre os acionistas vendedores estavam dois fundos de Venture Capital: Bessemer e Monashees, além das gestoras Estoril e Dynamo, a holding Aram e acionistas pessoa física.

A oferta obteve 96.265.123 ações (sem contar os acréscimos), que foram divididas da seguinte forma: 45.935.000 na oferta primária e 50.330.123 na oferta secundária, estando precificadas a R$ 10,25 por ação. O IPO arrecadou cerca de R$ 1,13 bilhão, sendo R$ 618,84 milhões destinados ao caixa da empresa para a expansão da marca e da base de usuários. Já os R$515,88 milhões restantes foram para os acionistas vendedores. A operação foi coordenada por: BTG Pactual, Bradesco BBI, J.P. Morgan, XP Investimentos e UBS BB.

A ação da Enjoei é negociada atualmente sob o ticker ENJU3. De novembro de 2020 até fevereiro de 2021, a ação esteve com uma forte tendência de alta, valorizando quase 100% nesse período e chegando a custar R$19,54. Após atingir o topo, o papel teve uma forte queda, seguido de uma recuperação parcial no mês de março. Desde então, o papel vem em uma queda, custando atualmente R$ 8,12.

Relacionadas