Privacidade e cookies: Utilizamos cookies no nosso website para melhorar o desempenho e a sua experiencia como utilizados.Ao continuar a usar este site, você concorda com seu uso. Visite nossa Política de Cookies para saber mais.
Ícone do aplicativo na loja

BP Money

Grátis na App Store

Abrir

Direto ao Ponto

A quem interessa a privatização da Eletrobras?

Valentina Reisem 1 de julho de 2021 11:44

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

 

A Câmara aprovou nesta segunda-feira (21) a Medida Provisória que dá início à privatização da Eletrobras, holding gigante do setor elétrico que é responsável por 30% da geração e 40% da transmissão de energia no Brasil. Agora, o texto segue para sanção do presidente. 

O modelo escolhido para a mudança é a capitalização: serão ofertadas ações da Eletrobras na Bolsa de Valores sem que a União participe da compra, diluindo sua participação na companhia de 60% para 45%.

Considerada uma vitória para a agenda liberal do ministro Paulo Guedes, a privatização à moda do centrão está distante de ser a "menina dos olhos" para os menos estatistas. Isso porque o texto está preenchido pelos chamados "jabutis". O termo, que pode não ser claro de início, advém do ditado popular "jabuti não sobe em árvore", ou seja, se ele está lá é porque alguém o colocou ali. A MP está preenchida por jabutis, pois o governo abriu a porteira para uma série de interesses do Congresso visando votos favoráveis à aprovação do texto, afinal essa é a primeira grande privatização do governo Bolsonaro. 

Foram incorporadas barganhas para contemplar pedidos essencialmente de caráter político. Os principais pontos da proposta são: os deputados incluíram um trecho que obriga a União a comprar energia de termelétricas a gás de regiões onde não há infraestrutura, beneficiando suas bases políticas. A queima de petróleo e gás, além de mais poluente, é mais cara: segundo especialistas, isso custará cerca de R$ 20 bilhões ao ano para os consumidores. 

Também está no texto a construção de usinas térmicas no norte de Minas Gerais, reduto do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM - MG).

A MP ainda proíbe a extinção, mudança de sede ou fundição com outras empresas de quatro subsidiárias da Eletrobras durante dez anos. São elas: Chesf, Furnas, Eletronorte e CGT Eletrosul, e abraça as emendas dos senadores piauienses Marcelo Castro (MDB) e Ciro Nogueira (PP), que pedem que o Piauí seja indenizado em R$ 260,4 milhões pela venda de uma subsidiária pela Eletrobras (Companhia Energética do Piauí) em 2018. 

Esses são apenas alguns dos jabutis presentes no texto que evidenciam o afobamento de Guedes para apresentar a Faria Lima qualquer coisa que se pareça com o seu discurso (embora eloquente, apenas palavras) de privatizações. Na prática, o processo passou em um mês, não havendo grandes discussões e comissões para que fosse debatido de maneira razoável. 

A privatização da estatal foi pensada nos moldes do centrão, beneficiando oligarquias regionais e negligenciando o compromisso com o bem maior. Com tantos enxertos custosos a mais que não estavam na proposta inicial, a conta - como de costume - vai sobrar para o bolso do trabalhador.

Relacionadas