Logo BP Money
Criptomoedas: 51% dos latino-americanos já utilizaram ativos digitais, aponta pesquisa da Mastercard
AliExpress anuncia ampliação no número de voos para o Brasil
ColunistasAntonio Marcos

Jovens traders crescem na bolsa, mas é preciso preparo

Grande parte dos CPFs únicos cadastrados na B3 são de investidores que buscam ganhar com operações de curto prazo sem sair de casa

Antonio Marcos

por Antonio Marcos

19 de maio de 2022 8:00Atualizado em: 19 de maio de 2022 8:33
Jovens traders crescem na bolsa, mas é preciso preparo

A procura pelo trade como fonte principal ou complemento de renda é cada vez mais comum com o aumento dos brasileiros que investem na Bolsa. Dados da B3 mostram que os CPFs únicos cadastrados chegaram a 4,2 milhões em janeiro deste ano e, grande parte deste universo, é de investidores que buscam ganhar com operações de curto prazo sem sair de casa. 

Não existem números oficiais sobre quantos traders existem no mercado brasileiro, mas sabemos que a prática se dissemina até porque os jovens estão cada vez mais descobrindo o mercado de ações, são mais ousados e com maior apetite ao risco. Segundo levantamento recente da B3, a idade média do cliente pessoa física no mercado acionário nacional recuou quase 11 anos desde 2016, de 48,7 anos para 37,9 anos ao final do ano passado. Do total de investidores na bolsa, 62% têm menos de 40 anos. 

A Axia Investing buscou entender o perfil destas pessoas que buscam renda fazendo trade por meio de uma pesquisa realizada entre 21 de fevereiro e 21 de março deste ano com 280 traders. O levantamento demonstrou que a maioria dos operadores é do sexo masculino (91,4%), tem idade abaixo dos 40 anos (82,86%), mas ainda exibe pouco preparo.

Sem dúvidas, o aumento do interesse dos jovens pelo mercado é um ponto positivo, mas nos preocupa a questão da formação, algo essencial para saber lidar com os sobressaltos no dia a dia do mercado financeiro.

Segundo o levantamento, 74,91% dos entrevistados têm apenas entre um e três anos de estudo do mercado financeiro, enquanto 19% alegam já ter estudado entre quatro e sete anos. E 4,30% não se prepararam antes de iniciar seus investimentos. A falta de conhecimento é um dos fatores que aumentam o risco, pois o mercado não é para aventureiros. Operar o mercado requer conhecimento específico da área e dedicação. 

Apesar disso, o levantamento também demonstrou que 69% dos entrevistados ainda não participam de algum programa, consultoria ou grupo de estudos contínuos sobre trade e o mercado financeiro. Os demais garantem pelo menos duas horas semanais de aprimoramento com essas ferramentas, em alguns casos chegando a mais de oito horas.

Não é à toa que muitas pesquisas destacam o risco de se tornar trader e apontam que a maioria perde dinheiro. Na verdade, com qualificação profissional para operar o mercado, isso não se comprova. Se a Bolsa não possibilitasse lucro, não haveria milionários e grandes empresas operando nela. É no curtíssimo prazo que surgem as melhores oportunidades. Trata-se de um investimento estratégico em que o investidor precisa ter conhecimento e sangue frio.

Não é lugar para amadores e, com certeza, não é um investimento de longo prazo devido à sua alta volatilidade. 
Em um ambiente em que o valor de uma determinada ação pode subir e descer várias vezes em um dia, só ganha quem sabe interpretar a movimentação do mercado. Ser daytrader requer investir em conhecimento. Buscar os melhores cursos e não se limitar a informações superficiais disponíveis na internet.
 

Antonio Marcos

Antonio Marcos

CEO da AxiaAntonio Marcos Samad Júnior, CEO da Axia